31 de dezembro de 2011

Manejo Inicial - Frango de corte

O manejo inicial de frangos de corte compreende às práticas necessárias para assegurar bom desempenho do alojamento aos 21 dias de vida das aves. Este é o período em que se tem mais trabalho com o manejo, sendo de extrema importância e decisivo para garantir o ganho de peso e a eficiência alimentar desejados na idade de abate. Uma falha no manejo dos primeiros dias pode comprometer o resultado econômico da criação.
O manejo dos pintos de corte deve ser planejado bem antes da chegada dos lotes à granja. Em seguida, se promove as preparações dos aviários, que serão ocupados de maneira a fornecer todo conforto às aves: limpeza, círculos de proteção que garantam um ambiente seguro para evitar acidentes e potencializar o aquecimento inicial, tipo de cama para cobrir o piso, o aquecimento nos primeiros dias, o abastecimento de água potável, o fornecimento de ração, o programa de iluminação artificial, o programa sanitário a ser utilizado, a mão-de obra a ser empregada, etc.


  1. PREPARO DAS INSTALAÇÕES (LIMPEZA E DESINFECÇÃO)
É importante planejar todo o sistema de limpeza e preparo das instalações:
  • Remoção do esterco. Recomenda-se a retirada do esterco a cada lote. Caso esta prática não seja possível é importante tomar os cuidados com a reutilização de cama,não sendo recomendável esta reutilização, caso tenham ocorrido doenças no lote anterior. 
  • As instalações e equipamentos devem ser limpos e desinfetados toda vez que substituir lotes.
Após a liberação do galpão recomenda-se:
 
  • Desmontar os equipamentos;
  • Retirar todo o esterco com caminhões lonados;
  • Esvaziar, limpar e lavar silos para ração a granel;
  • Varrer piso, telas e ao redor dos galpões;
  • Vassoura de fogo no piso e nas áreas laterais dos galpões;
  • Lavar com água sob pressão, o galpão e equipamentos;
  • Desinfetar;
  • Pulverizar com inseticidas;
  • Distribuir o material da cama nova e desinfetar;
  • Vazio sanitário de 12 a 14 dias.
MANEJO PROPRIAMENTE DITO

Círculos de Proteção
 
Atualmente com a modernização cada vez mais constante das instalações em que são criados os frangos de corte, o fornecimento de uma temperatura adequada nos primeiros dias de vida tem sido uma preocupação constante dos criadores. Assim, com o intuito de otimizar o aquecimento para as aves usa-se os círculos de proteção, o que permitirá à ave uma maior proximidade com as fontes de calor, água e alimento, além dos círculos, podemos utilizar o aquecimento em todo o ambiente, denominado de pinteiro coberto.
A quantidade de círculos disponíveis deve ser proporcional ao volume de pintos recebidos, sendo importante destacar que quanto menor a quantidade de pintos por círculo, menores serão os problemas de uniformidade no lote. Via de regra, 4 chapas (0,40m x 2,20m) unidas são suficientes para um círculo de 500 pintos. Sempre que possível, os círculos devem ser forrados com jornal nos primeiros dias para evitar que o umbigo das aves entre em contato com a cama. Inicialmente, o círculo deve ser colocado a uma distância de 1,0 - 1,5m ao redor da campânula, dependendo da estação do ano, e devem ser aumentados e unidos entre si de forma gradual, acompanhando o crescimento das aves. No inverno essa abertura deve ser mais lenta que no verão. Os círculos serão totalmente retirados entre o 14º e o 18º dia de criação.

Recepção

A programação de compras permite saber o dia e o momento aproximado de chegada dos pintinhos facilitando planejar e executar as tarefas. Deve-se lembrar que os pintinhos nascem com reservas (gema) no abdomem para alimentar-se por até 48 horas. Também, a temperatura corporal é de 39,8ºC ao nascer e atingirá 41,8ºC na Segunda semana. São sensíveis a baixas temperaturas pois não tem cobertura de penas e centro termorregulador desenvolvido.
No recebimento das aves examinar a qualidade dos pintos que chegaram à granja, observando as seguintes características:
  • Procedência: é fundamental se conhecer a idoneidade da empresa produtora dos pintos;
  • Peso médio do lote: entre 35 e 50 g (ideal 40 g);
  • Penugem seca e fofa;
  • Olhos arredondados e brilhantes;
  • Umbigo bem cicatrizado e sem sinal de onfalite
  • Canelas brilhantes e enceradas, sem sinais de desidratação;
  • Boa vivacidade;
  • Devem estar livres de Salmonella spp., Mg e Ms, Aspergillus fumigatum, E. Coli;
  • Presença de anticorpos maternos circulantes para doença de Newcastle,
  • bronquite infecciosa e Gumboro;
  • Devem ser vacinados contra doença de Marek (HVT).
Manejo de Recebimento

  • Ligar os aquecedores uma hora antes do alojamento atingindo a temperatura de 30-32ºC na borda da campânula à altura dos pintos.
  • Colocar água com complexo vitamínico e eletrólitos nos bebedouros.
  • Distribuir as caixas de pintos em torno dos círculos. 
  • Fazer rigorosa vistoria dos pintos ainda nas caixas, antes de assinar o relatório de viagem.
  • Soltar os pintos nos círculos cuidadosamente em torno dos bebedouros.
  • Colocar fubá sobre o papel ou ração pré-inicial diretamente nos comedouros quando não usar forro.
  • Iniciara anotações em ficha de controle onde se registra: marca e origem dos pintos, quantidade e data de chegada, número do lote, galpão e nome do tratador,vacinações efetuadas no incubatório.
  • Controle da Temperatura
  • Observar na figura o comportamento dos pintos. Estes têm problemas críticos de termorregulação, podendo morrer em extremos de temperatura corporal de 16,6ºC ou 47,0ºC. A temperatura corporal normal é de 39,8ºC mas chegará a 41,8ºC após a primeira semana.
  • FRIO, QUENTE, NORMAL
  • Piando, Silenciosos
  • Aglomeração, Fuga do calor, Uniformes
  • Problemas respiratórios, Diarréia, Alimentação normal
  • Congestão pulmonar, Emplastamento, Crescimento normal
  • Empenamento fraco, Desidratação, Empenamento normal
  • Alta mortalidade, Mortalidade normal
Manejo do 2º ao 3º dia
  • Colocar ração apropriada (pré-inicial para corte) nos comedouros
  • Adicionar na água, vitaminas, eletrólitos e antibióticos conforme programa adotado na prevenção de doença crônica respiratória.
  • Retirar o forro de papel no terceiro dia, quando for usado.
  • Continuar o controle de temperatura conforme o comportamento dos pintos indicado na tabela anterior. Em geral o aquecedor será desligado nas horas mais quentes do dia.
Manejo de 4 a 7 dias
  • Controlar a temperatura conforme normas anteriores. Aquecedores em geral ligados só a noite.
  • Aumento gradativo do número de bebedouros e comedouros e do diâmetro do círculo.
  • Pode-se colocar já alguns comedouros tubulares e bebedouros pendulares.
Manejo de 8 a 14 dias

  • Retirar o círculo de proteção.
  • Regular a temperatura normalmente, aquecedores ligados somente no período da noite.
  • Manter comedouros e bebedouros em número suficiente. Ao final deste período, continuar a substituição por equipamento definitivo de modo a iniciar a terceira semana com comedouros tubulares 1:30, tipo cocho 10cm/ave ou 40 frangos por prato ou metro de cocho nos tipos automatizados. Bebedouros pendulares 1:100 frangos ou 2,5cm/frente nos bebedouros tipo calha. Os bebedouros tipo nipple, com ou sem bandeja podem ser usados desde o primeiro dia, o importante é ajustar a altura e a proporção correta de aves por nipple conforme o fabricante.
  • Evitar umidade excessiva e fermentação na cama e desprendimento de amônia revirando a cama 1 a 2 vezes por semana.
  • Manejar a cortina para propiciar gradativamente a ventilação interna.
  • Conforme o clima pode ser necessário o uso de ventiladores no final deste período, em horas mais quentes do dia.
  • Observar o programa de vacinação para Newcastle e Gumboro (12 a 14 dias)
  • Elevar gradativamente a altura de bebedouros e comedouros.
  • Manter um nível adequado de ração nos comedouros (1/2prato). Não elevar em demasia os comedouros favorecendo o consumo. Já os bebedouros pendulares serão regulados ao dorso dos frangos, porém com baixa lâmina de água para evitar desperdícios.
Manejo de 14 a 21 dias

Esta fase constitue-se em manter todos os cuidados mencionados anteriormente
controlados para obtenção de uma maior uniformidade do lote ao final dos 21 dias.
 
Biossegurança 
É importante manter rígidas medidas de biossegurança nesta fase inicial (isolamento de equipamentos, mão-de-obra e visitas). Adotar normas para ingresso de pessoas na granja e desinfecção do material que ingressa.
 
Manejo das campânulas 
As campânulas servem para o aquecimento dos pintos nos primeiros dias de vida. A regulagem da temperatura sob a campânula poderá ser feita suspendendo-a ou abaixando-a em relação ao nível do piso ou ainda pela regulagem da chama dos queimadores. Atualmente, existem no mercado campânulas de vários tipos e para diversas
quantidades de aves, aqui está sendo considerado uma campânula para cada círculo de
500 aves.
De maneira geral recomenda-se que esta temperatura seja diminuída 3ºC por semana até
que na 3ª semana ela seja ligada apenas no período noturno. Porém o mais sensato é observar o comportamento das aves sob as campânulas, quando a temperatura do círculo
está confortável as aves ficam dispersas uniformemente, ao passo que quando estiver frio, todas as aves ficam amontoadas no centro sob a campânula.
 
Manejo das cortinas 
Durante os primeiros dias as cortinas deverão permitir a troca constante de ar, sem contudo formar correntes. Em caso de vento abrir a parte superior do lado que não está ventando. Em lugares extremamente frios pode-se manter as cortinas totalmente fechadas e nos lugares quentes apenas parcialmente.
O manejo das cortinas deve estar associado ao das campânulas para o controle da temperatura ambiente e sua manutenção nos valores da zona de conforto (entre 33 e 35ºC), permitindo o desenvolvimento dos mecanismos associados ao crescimento e à defesa imunitária.
 
Manejo de iluminação 
Em frangos de corte o objetivo do manejo de iluminação é elevar ao máximo o consumo de ração no verão e restringir no inverno. Há vários programas, como o uso de luz contínua, intermitente ou apenas natural. O fornecimento de luz adicional é essencial nos meses mais quentes, por permitir que a ave consuma mais ração a noite, quando a temperatura do ambiente é mais amena. Já no inverno a restrição de luz é necessária para “segurar” o consumo de ração e o rápido desempenho das aves, evitando o aumento da mortalidade.
É interessante lembrar que os comedouros automáticos devem estar cheios quando a luz acender.


Autor:
Prof. Joerley Moreira
Nutrição e Produção Animal, PhD
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BAIÃO, N.C., BERNAL, F.E.M., GIVISIEZ, P.E.N. Efeito da altura do comedouro sobre o
desempenho do frango e incidência de calo no peito. In: CONFERÊNCIA APINCO DE
CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1994, Santos. Trabalhos de pesquisa, FACTA, 1994. P.153-4.
CARVALHO, A.F.M. Preparo das instalações e equipamentos. In: CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM MANEJO DE FRANGOS DE CORTE, 1989, Campinas. Anais..., APINCO, 1989. p. 19-22.
GONZALES, E., MOGYCA,N.S.S., VAROLI JR, J.C., TAKITA, T.S., LODDI, M.M. O tempo de jejum do neonato afeta o desempenho do frango de corte na idade de abate.In: CONFERÊNCIA APINCO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1999, Campinas. Trabalhos de pesquisa, FACTA, 1999. p.12.
LEDESMA, R.C. Programas de control integrado contra escarabajos y roedores. Indústria Avícola. n.11. p.30-1. 1996.
MACARI, M. Água na avilcultura industrial. Jaboticabal, Ed. FUNEP/UNESP, 1996 128p.
MEIRELLES, H.T., MACARI, M., KRONKA, S.N., GUERREIRO, J.R., SECAT, E.R. Efeito da cloração da água de beber sobre o desempenho e consumo de água de frangos de corte. In: CONFERÊNCIA APINCO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVÍCOLAS, 1995, Curitiba. Trabalhos de pesquisa, FACTA, 1995. p.171-2.
MURAKAMI, H., AKIBA, Y., HORIGUCHI, E.M. 1988, Nutricional Aspects in Early Growth Post Hatchery of Broiler Chicks, proceeding 8th WPSA, Nagoya, Japão. p.861-3.
PAGANINI,F.J. Aspectos microbiológicos na reutilização da cama de frangos de corte Avicultura Industrial Anuário Dezembro/99-Janeiro 00. 2000. p. 76-77.

Videos Relacionados

Loading...